quarta-feira, 30 de maio de 2007

Identidade

João da Gama Filgueiras Lima, Lelé, nascido em 10 de janeiro de 1932 no Rio de Janeiro, se formou pela Escola de Belas Artes no Rio de Janeiro em 1955. Iniciou sua carreira durante a construção de Brasília, onde participou como protagonista de um dos momentos mais importantes do modernismo brasileiro, o nascimento da capital federal, projetando, construindo e colaborando com outros arquitetos, como Oscar Niemeyer. Participou da implantação da Universidade de Brasília, onde lecionou e coordenou a Pós-Graduação. Notabilizou-se por desenvolver ao longo de sua carreira uma obra que se caracteriza especialmente pela busca da racionalização e da industrialização da arquitetura, extremamente ligada a dois aspectos básicos da construção: o clima e a pré-fabricação, realizando diversas obras em diversas capitais como Brasília, Rio de Janeiro e Salvador, transformando-se num dos mais importantes arquitetos do Brasil. Desenvolveu o projeto da Rede Sarah de Hospitais em todo o país, algumas escolas, centros religiosos, mobiliários urbanos tais como bancos, passarelas, terminais de ônibus, entre outros.
Ao longo de sua carreira ele conseguiu criar a sua identidade através de elementos marcantes como a utilização em todas as suas criações da cor amarela e vermelha como elementos de detalhes, outra marca registrada é a utilização de marquises arcadas em aço ou em concreto pré-moldado.

Sua mais recente obra para iniciativa privada, encomenda feita por um grande amigo seu, está sendo realizada no bairro do Rio Vermelho, bairro tradicionalmente boêmio da cidade de Salvador e impressiona pela sua grandeza em escala volumétrica despertando a curiosidade dos transeuntes.
No terreno possuía uma casa, a qual os donos deram liberdade para uma reforma para adequar ao espaço almejado pelo inquilino – proprietário do empreendimento – porém esta não poderia ser demolida.
A proposta do estabelecimento é mais uma novidade em Salvador, onde se atrela a música, comida italiana, e livraria, oferecendo entretenimento para todos os gostos da população. Com diversos ambientes, Lelé soube dialogar e registrar a sua marca. É nítido a presença do aço, desde a estrutura à luminárias projetadas pelo mesmo, bem como a utilização da cor vermelha em pontos focais como numa chaminé do forno à lenha.
A obra é composta externamente por um grande telhado de duas águas de telha metálica, que preenche o terreno em quase sua totalidade com grande declividade dando a impressão de abraçar a antiga casa. Também consta como um "carimbo": uma marquise metálica de cor vermelha convidando para o espaço interno. Internamente possui no teto, uma estrutura em aço para comportar o operador de som com um sistema de roldanas para livre circulação no teto do salão, é importante observar, também, que este sistema é mais uma criação do arquiteto, visto que anteriormente o mesmo também projetou o plano inclinado da Rede Sarah em Salvador e as camas-maca criadas para os pacientes do hospital.

O equilíbrio que paira nas construções de Lelé e o repouso de suas formas evocam o conceito utilizado pelos Proun, sendo que sua arquitetura não se relaciona diretamente aos construtivistas, pois, a escala utilizada é mais humana até mesmo o seu propósito, que visa a aproximação do homem com a natureza.
Esse restaurante se assemelha a uma outra construção de Lelé, o módulo do Centro Integrado de Ensino em Brasília, o qual também possui sua fachada de vidro de cor escura, e telhado com grande inclinação. É notável como ao longo do tempo a sua construção se repete, principalmente os seus princípios, mas se adequa à contemporaneidade das formas.
É inegável que talento e inovação são características marcantes desse arquiteto, porem pode-se observar nitidamente a forte relação entre o saber e o poder, visto que, a maioria das obras de Lelé esta relacionada a órgãos governamentais e desta forma com disponibilidade de capital permite que o arquiteto tenha liberdade nas suas criações.


Um comentário:

THIAGAO DA BAHIA!!! disse...

O SEU POST SOBRE LELE BOTOU O NOSSO NO BOLSO..PRAQ TANTA VIOLENCIA?RS!!!TA FICANDO QUENTEEEEE